Quem sou eu

Minha foto
Jornalista, por conta de cassação como oficial de Marinha no golpe de 64, sou cria de Vila Isabel, onde vivi até os 23 anos de idade. A vida política partidária começa simultaneamente com a vida jornalística, em 1965. A jornalística, explicitamente. A política, na clandestinidade do PCB. Ex-deputado estadual, me filio ao PT, por onde alcanço mais dois mandatos, já como federal. Com a guinada ideológica imposta ao Partido pelo pragmatismo escolhido como caminho pelo governo Lula, saio e me incorporo aos que fundaram o Partido Socialismo e Liberdade, onde milito atualmente. Três filh@s - Thalia, Tainah e Leonardo - vivo com minha companheira Rosane desde 1988.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

WikiLeaks contra-ataca e mostra grande capital comprando Estados e governos

Documento estarrecedor, mostrando que WikiLeaks, mesmo alvejado financeiramente, ainda tem muita eficácia contra seus principais inimigos. Mostra como o grande capital se sobrepõe a Estados na privatização de uma espionagem internacional em favor das grandes corporações, onde governos e serviços diplomáticos são subornados para se transformarem em fontes. Da doença de Chavez, aos ataques ao próprio WikiLeaks, são milhares de e mails que vêm a público mostrando os poderes da barbárie capitalista 

LONDON—Today, Monday 27 February, WikiLeaks began publishing The Global Intelligence Files – more than five million emails from the Texas-headquartered "global intelligence" company Stratfor. The emails date from between July 2004 and late December 2011. They reveal the inner workings of a company that fronts as an intelligence publisher, but provides confidential intelligence services to large corporations, such as Bhopal’s Dow Chemical Co., Lockheed Martin, Northrop Grumman, Raytheon and government agencies, including the US Department of Homeland Security, the US Marines and the US Defense Intelligence Agency. The emails show Stratfor’s web of informers, pay-off structure, payment-laundering techniques and psychological methods, for example :
"[Y]ou have to take control of him. Control means financial, sexual or psychological control... This is intended to start our conversation on your next phase" – CEO George Friedman to Stratfor analyst Reva Bhalla on 6 December 2011, on how to exploit an Israeli intelligence informant providing information on the medical condition of the President of Venezuala, Hugo Chavez.
The material contains privileged information about the US government’s attacks against Julian Assange and WikiLeaks and Stratfor’s own attempts to subvert WikiLeaks. There are more than 4,000 emails mentioning WikiLeaks or Julian Assange. The emails also expose the revolving door that operates in private intelligence companies in the United States. Government and diplomatic sources from around the world give Stratfor advance knowledge of global politics and events in exchange for money. The Global Intelligence Files exposes how Stratfor has recruited a global network of informants who are paid via Swiss banks accounts and pre-paid credit cards. Stratfor has a mix of covert and overt informants, which includes government employees, embassy staff and journalists around the world.
The material shows how a private intelligence agency works, and how they target individuals for their corporate and government clients. For example, Stratfor monitored and analysed the online activities of Bhopal activists, including the "Yes Men", for the US chemical giant Dow Chemical. The activists seek redress for the 1984 Dow Chemical/Union Carbide gas disaster in Bhopal, India. The disaster led to thousands of deaths, injuries in more than half a million people, and lasting environmental damage.
Stratfor has realised that its routine use of secret cash bribes to get information from insiders is risky. In August 2011, Stratfor CEO George Friedman confidentially told his employees : "We are retaining a law firm to create a policy for Stratfor on the Foreign Corrupt Practices Act. I don’t plan to do the perp walk and I don’t want anyone here doing it either."
Stratfor’s use of insiders for intelligence soon turned into a money-making scheme of questionable legality. The emails show that in 2009 then-Goldman Sachs Managing Director Shea Morenz and Stratfor CEO George Friedman hatched an idea to "utilise the intelligence" it was pulling in from its insider network to start up a captive strategic investment fund. CEO George Friedman explained in a confidential August 2011 document, marked DO NOT SHARE OR DISCUSS : "What StratCap will do is use our Stratfor’s intelligence and analysis to trade in a range of geopolitical instruments, particularly government bonds, currencies and the like". The emails show that in 2011 Goldman Sach’s Morenz invested "substantially" more than $4million and joined Stratfor’s board of directors. Throughout 2011, a complex offshore share structure extending as far as South Africa was erected, designed to make StratCap appear to be legally independent. But, confidentially, Friedman told StratFor staff : "Do not think of StratCap as an outside organisation. It will be integral... It will be useful to you if, for the sake of convenience, you think of it as another aspect of Stratfor and Shea as another executive in Stratfor... we are already working on mock portfolios and trades". StratCap is due to launch in 2012.
The Stratfor emails reveal a company that cultivates close ties with US government agencies and employs former US government staff. It is preparing the 3-year Forecast for the Commandant of the US Marine Corps, and it trains US marines and "other government intelligence agencies" in "becoming government Stratfors". Stratfor’s Vice-President for Intelligence, Fred Burton, was formerly a special agent with the US State Department’s Diplomatic Security Service and was their Deputy Chief of the counterterrorism division. Despite the governmental ties, Stratfor and similar companies operate in complete secrecy with no political oversight or accountability. Stratfor claims that it operates "without ideology, agenda or national bias", yet the emails reveal private intelligence staff who align themselves closely with US government policies and channel tips to the Mossad – including through an information mule in the Israeli newspaper Haaretz, Yossi Melman, who conspired with Guardian journalist David Leigh to secretly, and in violation of WikiLeaks’ contract with the Guardian, move WikiLeaks US diplomatic cables to Israel.
Ironically, considering the present circumstances, Stratfor was trying to get into what it called the leak-focused "gravy train" that sprung up after WikiLeaks’ Afghanistan disclosures :
"[Is it] possible for us to get some of that ’leak-focused’ gravy train ? This is an obvious fear sale, so that’s a good thing. And we have something to offer that the IT security companies don’t, mainly our focus on counter-intelligence and surveillance that Fred and Stick know better than anyone on the planet... Could we develop some ideas and procedures on the idea of ´leak-focused’ network security that focuses on preventing one’s own employees from leaking sensitive information... In fact, I’m not so sure this is an IT problem that requires an IT solution."
Like WikiLeaks’ diplomatic cables, much of the significance of the emails will be revealed over the coming weeks, as our coalition and the public search through them and discover connections. Readers will find that whereas large numbers of Stratfor’s subscribers and clients work in the US military and intelligence agencies, Stratfor gave a complimentary membership to the controversial Pakistan general Hamid Gul, former head of Pakistan’s ISI intelligence service, who, according to US diplomatic cables, planned an IED attack on international forces in Afghanistan in 2006. Readers will discover Stratfor’s internal email classification system that codes correspondence according to categories such as ’alpha’, ’tactical’ and ’secure’. The correspondence also contains code names for people of particular interest such as ’Hizzies’ (members of Hezbollah), or ’Adogg’ (Mahmoud Ahmedinejad).
Stratfor did secret deals with dozens of media organisations and journalists – from Reuters to the Kiev Post. The list of Stratfor’s "Confederation Partners", whom Stratfor internally referred to as its "Confed Fuck House" are included in the release. While it is acceptable for journalists to swap information or be paid by other media organisations, because Stratfor is a private intelligence organisation that services governments and private clients these relationships are corrupt or corrupting.
WikiLeaks has also obtained Stratfor’s list of informants and, in many cases, records of its payoffs, including $1,200 a month paid to the informant "Geronimo" , handled by Stratfor’s Former State Department agent Fred Burton.
WikiLeaks has built an investigative partnership with more than 25 media organisations and activists to inform the public about this huge body of documents. The organisations were provided access to a sophisticated investigative database developed by WikiLeaks and together with WikiLeaks are conducting journalistic evaluations of these emails. Important revelations discovered using this system will appear in the media in the coming weeks, together with the gradual release of the source documents.
- Public partners in the investigation
- Comment
- Current WikiLeaks status
- How to read the data

Public partners in the investigation: 

More than 25 media partners (others will be disclosed after their first publication) :
- Al Akhbar – Lebanon – http://english.al-akhbar.com
- Al Masry Al Youm – Egypt – http://www.almasry-alyoum.com
- Bivol – Bulgaria – http://bivol.bg
- CIPER – Chile – http://ciperchile.cl
- Dawn Media – Pakistan – http://www.dawn.com
- L’Espresso – Italy – http://espresso.repubblica.it
- La Repubblica – Italy – http://www.repubblica.it
- La Jornada – Mexico – www.jornada.unam.mx/
- La Nacion – Costa Rica – http://www.nacion.com
- Malaysia Today – Malaysia – www.malaysia-today.net
- McClatchy – United States – http://www.mcclatchy.com
- Nawaat – Tunisia – http://nawaat.org
- NDR/ARD – Germany – http://www.ndr.de
- Owni – France – http://owni.fr
- Pagina 12 – Argentina – www.pagina12.com.ar
- Plaza Publica – Guatemala – http://plazapublica.com.gt
- Publico.es – Spain – www.publico.es
- Rolling Stone – United States – http://www.rollingstone.com
- Russia Reporter – Russia – http://rusrep.ru
- Ta Nea – Greece –- http://www.tanea.gr
- Taraf – Turkey – http://www.taraf.com.tr
- The Hindu – India – www.thehindu.com
- The Yes Men – Bhopal Activists – Global http://theyesmen.org
- Nicky Hager – New Zealand


- WikiLeaks – Kristinn Hrafnsson, Official WikiLeaks representative, +35 4821 7121
Other comment :
- Bhopal Medical Appeal (in UK) – Colin Toogood : colintoogood@bhopal.org / +44 (0) 1273 603278/ +44 (0) 7798 845074 
- International Campaign for Justice in Bhopal (in India) – Rachna Dhingra : rachnya@gmail.com, +91 98 261 67369 
- Yes Men – mike@theyesmen.org / +44 (0) 7578 682321 - andy@theyesmen.org, +1-718-208-0684 
- Privacy International – +44 (0) 20 7242 2836
Twitter tag : #gifiles


An extrajudicial blockade imposed by VISA, MasterCard, PayPal, Bank of America, and Western Union that is designed to destroy WikiLeaks has been in place since December 2010. The EU Commission is considering whether it will open a formal investigation, but two lawsuits have been filed (http://wikileaks.org/Banking-Blocka...). There are also other ways to donate (https://shop.wikileaks.org/donate). It is legal to donate, including in the United States. The US Treasury has publicly stated that that there are no grounds to place WikiLeaks on a US government blacklist.
WikiLeaks Founder and Publisher Julian Assange has not been charged with any crime in any country. Four prosecutors are currently trying to charge him under the Espionage Act of 1917 before a closed Grand Jury in Virginia, in the United States. Julian Assange has been detained for 447 days (10,728 hours) since Dec 7, 2010, without charge, and he is currently awaiting a decision from the UK Supreme Court on extradition to Sweden (http://www.justiceforassange.com/Su...). The decision is expected in March. The decision on whether he will be onwardly extradited to the US lies in the hands of the Swedish Executive, but Sweden’s Prime Minister Fredrik Reinfeldt has refused to state whether he will protect Assange from a politically motivated extradition to the United States (http://justice4assange.com/US-Extra... ).
The Swedish Foreign Minister Carl Bildt has repeatedly attacked WikiLeaks this week in a bizarre manner (http://ferrada-noli.blogspot.com/20... ).
An alleged WikiLeaks US military source, Bradley Manning, has been in pre-trial detention for 639 days (http://bradleymanning.org/ ). His arraignment took place on 24 February 2012. In December 2011, Manning’s attorney revealed in the preliminary hearing that the US government is attempting to enter a plea deal with Manning in order to "go after" Assange. Manning has 22 charges against him, including violating the Espionage Act of 1917 and aiding the enemy. Manning has deferred entering a plea. Julian Assange and WikiLeaks are legally represented in the Manning hearings by the US Centre for Constitutional Rights (http://ccrjustice.org/ ). WikiLeaks was denied full access to Manning’s hearing after appeal (http://ccrjustice.org/newsroom/pres... ). WikiLeaks put out a statement relating to Manning’s trial ahead of the Article 32 Hearing : (http://www.wikileaks.org/Statement-... ).
The alleged WikiLeaks-supporting hacktivists known as the "PayPal 14" were arrested in 2011 following co-ordinated online demonstrations against the financial services companies that are carrying out the unlawful financial blockade on WikiLeaks (VISA, MasterCard, Paypal, Western Union, Bank of America). They are represented by attorney Stanley Cohen and will go before court in May 2012 (http://www.cyberguerrilla.org/?p=4644 ).
WikiLeaks is about to launch a distributed, encrypted "Facebook for revolutionaries" (https://wlfriends.org/ ).
Julian Assange is currently directing interviews, from house arrest, for a programme on the future of the world that is syndicated to various broadcasters. The first show will be broadcast in March (http://www.wikileaks.org/New-Assang... )


This is a glossary and information on how to understand the internal terms and codes used by Stratfor in their emails. It is not a complete list. We call on the public to add to this list by tweeting #gifind
To see a list of the terms George Friedman considers useful for his staff to know please download this PDF : The Stratfor Glossary of Useful, Baffling and Strange Intelligence Terms.


As you browse through the content, you will notice that a large set of it is what is classified as "open source" (subject lines which include [OS]). These are basically email threads that start with someone posting a published and accessible source, such as news sites, and follow with commentary by the staff. In one of the emails, Joseph Nye is referenced saying :
"Open source intelligence is the outer pieces of the jigsaw puzzle, without which one can neither begin nor complete the puzzle"


Many of the emails have codes in the subject lines as well as in the body, to make it easier for the staff to "quickly identify when we need to go back and have a look-see." [*] :
Examples : INSIGHT - COUNTRY - Subject - SOURCE CODE INSIGHT - CHINA - Trains and planes - CN1000
Please refer to the glossary for the code names of subject and country tags, as well as mailing list names.


A lot of interesting stuff comes from "sources". Sources are either informal contacts or people they have a formal relationship with. The IDs for sources have the format of CN120 or ME001. In terms of the character part, it refers to a region or a country :
A) Regions ME - Middle East region EU - European Union EE - Eastern Europe LA- South America SA- South Asia
B) Countries or Orgs CN - China PK - Pakistan IN- India ML - Malaysia VN - Vietnam NP- Nepal
US - United States VZ - Venezuela CO- Colombia BR-Brazil NC- Nicaragua MX- Mexico CL/CH- Chile AR- Argentina PY- Paraguay BOL- Bolivia
RU - Russia UA - Ukraine GE - Georgia TJ - Tajikstan MD - Moldova BG -Bulgaria CR/CZ- Czech Republic PT- Portugal
ZA - South Africa AO - Angola SO - Somalia NG- Nigeria CD- DR Congo CI- Cote D’Ivoire ZW- Zimbabwe ZM- Zambia RW- Rwanda KE- Kenya ET- Ethiopia SD -Sudan MA- Morocco SN- Senegal GN- Guinea SL- Sierra Leone
IR - Iran IQ- Iraq IL or IS- Israel SA- Saudi Arabia SY- Syria KU- Kuwait Y or YN - Yemen HZ - Hizbollah TK - Turkey LN- Lebanon LY- Libya UAE- UAE EG- Egypt (etc.)
C) Odd codes OCH - Old China hand, a finance insider. Stick - Scott Stewart, high level employee Z’s - Zetas, Mexican drug gang


When "insights" are sent, they usually have the following header information :
SOURCE : The ID of the source, say CN123. Sometimes this is left "no source ID" when it’s a new source.
ATTRIBUTION : How the source is to be attributed, i.e. "Source in the pharma distribution industry in China", Stratfor source, etc.
SOURCE DESCRIPTION : Describes the source, for example : "Source works with Mercator Pharmaceutical Solutions, distributing pharma to developing countries." These include concrete details on the source for internal consumption so that there’s a better understanding on the source’s background and ability to make assessments on the ground.
PUBLICATION : Yes or No. If the option is yes it doesn’t mean that it would be published, but rather that it _can_ be published.
SOURCE RELIABILITY : A-F, A being the best and F being the worst. This grades the turnaround time of this source in responding to requests.
ITEM CREDIBILITY : 1-10, 1 being the best and 10 being the worst (we may change the range here in the future). this changes a lot based on the info provided. 1 is "you can take this to the bank" and 10 would be an example of maybe - "this is a totally ridiculous rumor but something that is spreading on the ground"
SPECIAL HANDLING : often this is "none" but it may be something like, "if you use this we need to be sure not to mention the part about XXX in the publication" or any other special notes
SOURCE HANDLER : the person who can take follow-up questions and communicate with the source.


alpha@stratfor.com Discussions circulated exclusively among analysts, writers and higher-ups, including ’insights’ and discussions about sources and source meetings. secure@stratfor.com Discussions circulated exclusively among analysts and higher-ups, and only for use within continental US (analysts traveling ’overseas’ are removed from the list for the duration of their journey). analysts@stratfor.com - Discussion among analysts only, who manage sources, gather and analyze intelligence. ct@stratfor.com Ongoing discussions to collect and analyze counterterrorism intelligence, circulated among select group of analysts. tactical@statfor.com Non-time sensitive discussions for internal training on technical and tactical matters within field of counterterrorism. intelligence@stratfor.com gvalerts@stratfor.com - Related to Gas ventures clients military@stratfor.com Military list for pre-approved staff africa@stratfor.com eastasia@stratfor.com mesa@stratfor.com Middle East/South Asia list for pre-approved staff. eurasia@stratfor.com os@stratfor.com List with information from the public domain circulated and discussed among all employees. adp@stratfor.com List for ADPs. See Glossary. translations@stratfor.com alerts@stratfor.com responses@stratfor.com dialog-list@stratfor.com


a) Industry and other misc. tags :
HUMINT - Human intelligence OSINT- Open source intelligence DATA FLU BIRDFLU ECON TECH ENERGY MINING GV - Gas Venture CT - Counterterrorism G1-G4 B2-B4 S1-S4 MILITARY or MIL PENTAGON AQ- Al Qaeda AQAP - Al Qaeda in the Arabia Peninsula SF- Special Forces CONUS- Continental US
b) Special internal codewords :
Hizzies or HZ - Hizbollah Izzies or IZ - Israel A-dogg - Mahmoud Ahmadinajad, Iranian President Baby bashar - Bashar Al-Assad, Syrian President Uncle Mo - Moammar Gaddhafi ADP- Analyst Development Program. Four-month program at STRATFOR from which candidates— mostly recent college graduates— are selected for hire. Strictly protect and protect - Often mentioned in the ’subject’, means that the source is protected. Played- A term used for procuring sensitive information from sources. E.g. from one of the secure list messages circulating the ’complete scenario for the Israeli team in Centcom’s war game,’ the analyst who procured the data wrote : "I played the head of the Mossad which was great fun." Excomm- Appears to be ’executive committee’ of STRATFOR.
c) Regions and Orgs
AFRICOM - African countries LATAM - Latin American MERCOSUR NATFA ASEAN APEC FSU - Former Soviet Union countries MESA or MIDDLEEAST - Middle East EASTASIA OPEC EURASIA SA - South Asia FSB- Federal Security Service (Russia)


Attached documents can be searched by Filename or part of the file name. Preliminary searches for filenames using the terms ’lists’, ’source lists’ or ’insight lists’, coupled with the names of source handlers (e.g. Reva for Turkey, Brazil or Venezuela) produced Excel lists of the source names, contact info and source descriptions which correspond to the source codes (e.g. ME1315).

Sourcing Criteria

The following are the proposed criteria for analyzing both sources and insight.
1. Source Timeliness 2. Source Accessibility/Position 3. Source Availability 4. Insight Credibility 5. Insight Uniqueness
Source Timeliness : This is the average grade on how long this particular source turns around tasks and replies to inquiries. It may change but is more of a static indicator.
Source Accessibility : Accessibility weighs the source’s position to have certain knowledge in a particular field. So, for example, if we are looking for energy insight and the source is an official in an energy agency, his or her Accessibility would be ranked higher than if s/he was a banker giving insight on energy. While we would welcome a banker giving his/her insight, a good source may not have a high accessibility ranking if they aren’t in a position to offer reliable insight on a certain topic. The source’s access to decision makers, specific training or education in the desired topic area, specific knowledge of events/situations/incidents can also be considered.
Source Availability : How often can we go to this source ? Are they someone we can tap daily, weekly, monthly, yearly ?
Insight Credibility : This is our assessment of the veracity of the insight offered. Here we need to consider whether or not this is disinformation, speculation, correct data or knowledgeable interpretation. Any bias that the source is displaying or any specific viewpoints or personal background the source is using in the assessment provided should also be considered.
Insight Uniqueness : Is this insight something that could be found in OS ? If it is but the analysis of the information is unique, it would still have a high uniqueness ranking. Or, if it is concrete data, but is something that is only offered to industry insiders, i.e. stats that aren’t published but that aren’t secret, it would still have a high uniqueness score.
All of the above factors will be scored on an A-F scale, with A being exemplary and F being useless.
Source Timeliness : A = turnaround within 24 hours B = turnaround within 48 hours C = turnaround within a week D = turnaround within a month F = lucky to receive a reply at all
Source Accessibility : A = Someone with intimate knowledge of the particular insight B = Someone within the industry but whose knowledge of the topic is not exact (e.g. if we were asking someone in the oil industry about natural gas) C = Someone working close to the industry who doesn’t have intimate knowledge of a particular topic but can speak to it intelligently (e.g. a financial consultant asked to gauge the movement of the stock market) D = Someone who may know a country but doesn’t have any concrete insight into a particular topic but can offer rumors and discussions heard on the topic F = Someone who has no knowledge of a particular industry at all
Source Availability : A = Available pretty much whenever B = Can tap around once a week C = Can tap about once a month D = Can tap only several times a year F = Very limited availability
Insight Credibility : A = We can take this information to the bank B = Good insight but maybe not entirely precise C = Insight is only partially true D = There may be some interest in the insight, but it is mostly false or just pure speculation. F = Likely to be disinformation
Insight Uniqueness : A = Can’t be found anywhere else B = Can only be found in limited circles C = Insight can be found in OS, but the source has an interesting take/analysis D = Insight can be found in OS, but still may not be common knowledge F = Insight is accessible in numerous locations
Daily Insight Scoring
SOURCE : code ATTRIBUTION : this is what we should say if we use this info in a publication, e.g. STRATFOR source/source in the medical industry/source on the ground, etc SOURCE DESCRIPTION : this is where we put the more concrete details of the source for our internal consumption so we can better understand the source’s background and ability to make the assessments in the insight. PUBLICATION : Yes or no. If you put yes it doesn’t mean that we will publish it, but only that we can publish it. SOURCE RELIABILITY : A-F. A being the best and F being the worst. This grades the source overall - access to information, timeliness, availability, etc. In short, how good is this source ? ITEM CREDIBILITY : A-F. A = we can take this info to the bank ; B = Good insight but maybe not entirely precise ; C = Insight is only partially true ; D = There may be some interest in the insight, but it is mostly false or just pure speculation ; F = Likely to be disinformation. SPECIAL HANDLING : often this is "none" but it may be something like, "if you use this we need to be sure not to mention the part about XXX in thepublication" or any other special notes SOURCE HANDLER : the person who can take follow-up questions and communicate with the source.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Até conservadores europeus já temem hegemonia alemã e denunciam privilégios a bancos

É um texto incisivo. Quase panfletário. Uma denúncia direta aos malefícios da hegemonia alemã na imposição de política de austeridade brutais contra direitos sociais adquiridos, reforçada pelo protesto em relação aos subsídios privilegiados à gradne banca privada.

Não, não se trata de documento dos partidos de esquerda e sindicatos europeus. Trata-se, no concreto, de carta enviada  por dirigentes conservadores de países europeus ameaçados pela crise crescente da zona do euro - Itália, Polônia, Inglaterra e Espanha, na comissão de frente de uma ala com mais oito chefes de governo - aos dirigentes da união Européia, Herman van Rompuy e José Manuel Barros.

Faz sentido. Por mais afinados, ideologicamente, com as lógicas do "livre mercado", sabem até por instinto de sobrevivência que, a um paciente de enfermidade grave, se pode exigir tudo. Menos que se suicide. Sabem que uma coisa é se reunir com a quadrilha de meliantes do grande capital, protegidos por imensos aparatos de segurança e repressão, naquele festival anual de sanguessugas do grande capital, em Davos. Outra coisa é se defrontar com seus povos no dia-a-dia, e convencê-los a abrir mão de condições mínimas de vida digna de molde a que os lucros dos grandes banqueiros não se veja abalado, a despeito de suas responsabilidades nas manobras financeiras criminosas em que envolveram recursos de seus clientes e acionistas.

A cobra está fumando, sem que se possa indicar em que direção exista alguma válvula de escape para a pressão social crescente do continente que vê grande parte de sua juventude universitária sendo obrigada a se manter sustentada por pais com aposentadorias prejudicadas, ou a se dedicar a tarefas que nada têm a ver com sua formação acadêmica ou profissional. E no nível de desespero crescente, visível nas fotos das seguidas manifestações, onde está a solução que garanta não haver uma explosão de barbárie onde tudo e todos se vejam engolfados no mesmo tsunami social?

Sim; porque o trágico nessa longa hegemonia da parceria neoliberal com uma socialdemocracia vendida ao grande capital é que não são as alternativas recolucionárias democráticas as expostas expostas em vitrines conjunturais acessíveis. Pelo contrário - e a própria Grécia é exemplo -; a rendição à direita mais reacionária é o que se registra nas eleições previstas, e nos parlamentos já eleitos. E por surrealista que possa parecer, entre os Partidos Comunistas vistos como alternativa eleitoral efetiva na Europa, apenas um se destaca: o da extinta União Soviética, hoje transformada em paraíso das máfias sob controle do czar Putin.

Segue a matéria do EL PAIS sobre a carta dos chefes de Estadoà direção da Uniào Européia:

La revuelta contra la hegemonía francoalemana en la UE gana terreno

Doce países critican las subvenciones a la banca privada y buscan un mayor crecimiento con la liberalización de servicios

La hegemonía del eje franco alemán en el diseño de la política económica europea, que tan ineficiente ha resultado frente a la crisis, está encontrando una incipiente y creciente contestación. La carta que los primeros ministros Mario Monti, (Italia); David Cameron, (Reino Unido); Mariano Rajoy, (España); Donald Tusk (Polonia) y otros ochos líderes europeos enviaron a principios semana a los mandatarios europeos Herman van Rompuy y José Manuel Barroso está teniendo más repercusiones de las previstas. La misiva está siendo objeto de análisis más profundo en las cancillerías de algunos países y en las instituciones comunitarias. La mayoría de no firmantes son los que no pueden dar un paso sin el visto bueno de Berlín y París por diferentes razones.

Lo más relevante ha sido el gesto de plantar cara abiertamente a Merkel y a Sarkozy, hasta señores indiscutibles en la dirección de la UE. Por primera vez un grupo de países que representan el 50% de poder económico europeo ha cuestionado los aspectos más sustanciales de la política económica europea. En esencia la carta de los doce es una crítica al mal funcionamiento de un mercado que ha subvencionado sin límite a la banca privada, en contra de las reglas del libre mercado, que a su vez se han visto torpedeadas por la falta de aplicación de la directiva de servicios. Los Doce apuestan por estimular la actividad económica fomentando un mejor funcionamiento de los mercados en sectores con gran capacidad de estimular el crecimiento y el empleo como los servicios, la energía, internet, la investigación y la promoción de la creación de empresas.
David Cameron y Mario Monti, los promotores de la misiva, han obtenido ya unos primeros resultados. El premier británico ha logrado romper su aislamiento en quedó en la pasada cumbre. Monti está logrando apoyos para que la única política posible sea la del rigor mortis de la austeridad a ultranza, en la que anclado Merkel la UE con el asentimiento seguidista de Sarkozy. El primer ministro italiano es un reconocido conocedor y defensor de la necesidad de profundizar en el mercado único, como puso de relieve es un informe encargado pro la Comisión Europea en mayo de 2010.
Entonces ya afirmó que “la reciente crisis ha puesto de manifiesto que sigue existiendo una gran tentación, particularmente en tiempos difíciles, de anular el Mercado Único y buscar refugio en forma de nacionalismo económico”.
Las críticas a las subvenciones a la banca como una mala práctica contra el mercado interior constituyen una de las partes más duras de la misiva. “La garantía implícita de que siempre se rescatarán a los bancos, que tergiversa el mercado único, debe reducirse. Los bancos y no los contribuyentes son los que debería ser los responsables de soportar los costes de los riesgos en los que han incurrido”. Se da la circunstancia que los bancos alemanes como el WestLB, Bayern LB, HSH Nordbank e Hypo Real Estate (HRE) y los franceses Crédit Agricole, Société Générale, Crédit Mutuel, BNP Paribas y el franco belga Dexia, figuran entre los que han recibido un trato más privilegiado.
La censura es doble para Alemania que no ha implementado todavía la directiva de servicios, una norma largamente discutida y considerada esencial para la creación de empleo.
La carta subraya que se deben dar pasos para “construir un robusto, dinámico y competitivo sector de servicios financieros que cree empleo y de apoyo a los ciudadanos. Sustancialmente estamos ante dos modelos europeos. El germano francés que sacrifica todo a la reducción del déficit público combinado con la vista gorda para salvar a su banca. Y por otra parte, una peculiar combinación del liberalismo anglosajón y el mercado interior que vienen impulsando los federalistas europeos. La batalla no ha hecho más que empezar. Van Rompuy y Barroso deberían dejar claro de qué parte están cuanto antes y perder el miedo a disentir de Berlín y París.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Financial Times "denuncia" hegemonia expansionista de Merkel

Alemanha pressiona Grécia a abrir mão da sua democracia  

DO “Financial Times” 
(Reproduzido pela FSP em 21/o2/12)

Quando o ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schäuble, propôs que a Grécia adiasse suas eleições como condição para receber nova ajuda, chegamos ao ponto em que o sucesso não é mais compatível com a democracia.
Shäuble quer prevenir uma escolha democrática "errada". Similar é a sugestão de que as eleições aconteçam, mas uma grande coalizão permaneça no poder, independentemente do resultado.
A zona do euro quer impor sua escolha de governo à Grécia, no que a transformaria em sua primeira colônia.
A origem da proposta é um dilema legítimo. Schäuble sabe que é arriscado liberar fundos antes de uma eleição. O que impede que o novo governo mude o acordo?
Não ajuda o fato da Grécia ter um histórico ruim de implementar políticas.
Mas, para superar a desconfiança, a zona do euro está procurando garantias inacreditavelmente extremas.
Uma coisa é os credores interferirem no gerenciamento de políticas de um país beneficiário. Outra é dizer a ele para suspender eleições. Na própria Alemanha, isso seria inconstitucional.
Falta de confiança é a razão pela qual o pacote grego foi adiado até o último minuto possível e porque as últimas propostas contêm pedidos tão perigosos, como a presença permanente dos credores e do FMI no país.
Logo, haverá mais austeridade e, em algum momento, alguém vai reagir.
A estratégia alemã parece ser tornar a vida na Grécia tão insuportável que os próprios gregos vão querer sair da zona do euro.
A chanceler alemã, Angela Merkel, certamente não quer ser vista com uma arma na mão.
É uma estratégia de suicídio assistido, uma tática extremamente perigosa.

"Escravos da modernidade" no capitalismo globalizado

Vladimir Safatle - FSPaulo 21/02/2012

Na semana passada, a imprensa veiculou a notícia de que uma construtora servia-se de trabalho escravo.
A obra não era uma hidrelétrica na região Norte ou em algum lugar de difícil acesso, onde sempre é mais complicado descobrir o que se passa. Na verdade, a obra encontrava-se quase na esquina com a avenida Paulista.
Trata-se da reforma de um dos mais conhecidos hospitais da capital paulista, o Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Ironicamente, a empresa responsável pela obra chama-se "Racional" Engenharia.
Como não podia deixar de ser, a empresa afirmou que os trabalhadores respondiam a uma empresa terceirizada e que os dirigentes desconheciam realidade tão irracional. Este foi o mesmo argumento que a rede espanhola de roupas Zara utilizou quando foi flagrada servindo-se de mão de obra escrava boliviana empregada em oficinas terceirizadas no Bom Retiro.
É muito interessante como empresas que gastam fortunas em publicidade e propaganda institucional são tão pouco cuidadosas no que diz respeito às condições aviltantes de trabalho das quais se beneficiam por meio do truque tosco da terceirização. Quando se contrata uma empresa terceirizada, não é, de fato, complicado averiguar as reais condições a que trabalhadores estão submetidos, se seus turnos são respeitados e se seus alojamentos são decentes.
Há de se perguntar se tal desenvoltura não é resultado da crença de que ninguém nunca perceberá o curto-circuito entre imagens institucionais modernas, requintadas, "racionais", e sistemas medievais de exploração.
No fundo, essa parece ser mais uma faceta de um velho automatismo brasileiro de repetição: discursos cada vez mais elaborados e modernos, práticas cada vez mais arcaicas. Afinal, tal precariedade foi feita em nome de novas práticas trabalhistas, mais flexíveis e adaptadas aos tempos redentores que, enfim, chegaram.
Não mais a rigidez do emprego e do controle dos sindicatos, mas a leveza do paraíso da terceirização, onde todos serão, em um horizonte próximo, empresas. Cada trabalhador, um empresário de si mesmo.
Que essa flexibilidade tenha aberto as portas para uma vulnerabilidade que remete trabalhadores à pura e simples escravidão, isto não retiraria em nada o brilho da ideia. Pois apenas os que temem o risco e a inovação poderiam querer ainda as velhas práticas trabalhistas. Pena que o novo tenha uma cara tão velha.
Pena também que, como os gregos mostrem a cada dia, quem paga o verdadeiro preço do risco sejam, como dizia o velho Marx, os que já perderam tudo.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Declaração do PC sírio sobre a situação no País

A força reacionária que tem cometido os massacres contra a população síria, em estreita parceria com o imperialismo, é a organização da Irmandade Muçulmana. 

O Imperialismo e, sobretudo, sua força central, o imperialismo norte-americano, vem recebendo graves golpes dos Movimentos de Libertação Nacional Árabes, desde a agressão sionista de Israel contra o Líbano, em 2006, até as revoltas populares contra os regimes reacionários árabes, fiéis aos Estados Unidos e que mantêm relações estreitas com o sionismo, como os regimes egípcio e tunisiano, cujas peças principais caíram, mas, no entanto, os povos egípcios e tunisianos ainda têm muita tarefa pela frente para garantir e aprofundar sua libertação nacional e construir sua emancipação.

Neste momento, o imperialismo global lança um feroz contra-ataque contra o movimento de libertação nacional árabe. A face mais visível deste ataque, em termos de objetivos de expansão, é a agressão da OTAN contra a Líbia, em plena coordenação com os regimes árabes reacionários. Houve uma tentativa de encobrir esta agressão com uma poderosa campanha midiática cujos temas privilegiados foram: «espalhando democracia» e «direitos humanos».

A finalidade principal da violação da Líbia e sua brutal pilhagem foi escorar a integridade do Império, que vacila sob a crise e as contínuas frustrações e derrotas.

O mesmo se pode dizer do crescente ataque, perfeitamente planejado, contra a Síria. Um país que tem uma posição clara contra o imperialismo e sionismo e seus planos expansionistas na região, um país que apóia os movimentos de resistência e de libertação, ao contrário de todos os reacionários regimes árabes, do oceano ao Golfo. Os países imperialistas, assim como os regimes autocráticos do Golfo, dedicam grandes recursos, usando os métodos mais insidiosos e sujos, para derrubar o regime sírio antiimperialista.

O Partido Comunista Sírio tem avisando há muito tempo sobre este perigo. O relatório político da 11ª Conferência do partido, realizado no mês de outubro de 2010, declarou textualmente: «está se tornando cada vez mais claro que este ataque contra a Síria ―com seus múltiplos aspectos de pressão política, sabotagem, ameaças militares, econômicas e conspirações― tenciona realizar transformações radicais para mudar a face nacional da Síria, incluindo a derrubada do regime». A luta contra isto exige uma ampla aliança nacional e cujo principal objetivo é proteger e reforçar a soberania nacional'.

No que diz respeito à atual situação na Síria, cabe destacar os seguintes aspectos:

1 – Os planos do imperialismo e a reação interna para derrubar o regime sírio antiimperialista através de grandes rebeliões populares generosamente estimuladas pelos regimes reacionários do Golfo falharam, porque a maioria das massas populares, sobretudo nas principais cidades do país, não se deixou levar por esse. Muito pelo contrário, em Damasco, Alepo e muitas cidades sírias, houve manifestações de massa para condenar a conspiração e gritar contra o imperialismo, o sionismo e os árabes reacionários.

2 - Depois deste fracasso, as forças reacionárias passaram a operar novos métodos de caráter criminoso, tais como assassinatos seletivos, em alguns lugares, assassinatos coletivos de natureza sectária e atos de sabotagem (como colocar bombas em ferrovias e incendiar as fábricas, sobretudo as do sector público). É de suma importância destacar que os assassinatos seletivos são direcionados especialmente aos homens de ciência e cultura (pesquisadores, médicos, etc.), assim como os profissionais militares de áreas especializadas, e de grande experiência, como os pilotos; tudo isso com o objetivo claro de enfraquecer a capacidade de defesa nacional do Estado sírio. Os massacres coletivos perpetrados pelos terroristas têm sido indiscriminados, sem respeitar sequer as crianças, mulheres e velhos, de modo a provocar sentimentos de ódio e minar qualquer possibilidade de estabilidade.

3 - Em paralelo com a crescente pressão sobre a Síria, exercida há algum tempo pelos Estados e centros imperialistas ou por reacionários regimes árabes associados a estes centros, utilizando a Liga dos Estados Árabes, os reacionários árabes se movimentam em uma atividade frenética que dê um pretexto ao Conselho de Segurança e outros órgãos das Nações Unidas para tomar decisões agressivas com a cobertura da chamada “legitimidade árabe”, que é completamente falsa. Todos os regimes de Golfo apóiam generosamente todos os movimentos reacionários que estão operando na Síria.

Turquia, braço da OTAN na região, desempenha um papel fundamental no exercício de todos os tipos de pressão sobre a Síria, desde políticas, passando pelas pressões econômicas, até o apoio explícito e direto às organizações armadas terroristas e sua hospitalidade aos chefes dessas organizações.

O regime da Síria adotou, após aprovação, muitas leis e regulamentos com o objetivo desejado pelo povo de expandir e consolidar as liberdades democráticas no país. Mas, essas aberturas se chocam com a rejeição dogmática das forças reacionárias. Estas forças estão tentando derrubar o regime, em colaboração com os infiltrados do imperialismo e do sionismo. Enquanto a Síria mantiver sua postura antiimperialista, os expansivos planos imperialistas terão muitas dificuldades para serem aplicados plenamente no Mediterrâneo Oriental, em particular o “novo grande projeto para o Oriente Médio”, ou, dito de outro modo, “o grande projeto sionista para o Oriente Médio”.

A posição do Partido Comunista Sírio é clara: lutar contra os planos imperialistas, respaldar o regime nacional e sua postura contra os planos do imperialismo, bem como defender as reformas democráticas, que em linhas gerais se aproximam do programa do nosso partido nesta esfera. Estamos, de igual forma, empenhados na luta permanente pelas mudanças radicais na orientação da economia liberal e em todas as leis que a protegem. Não esqueçamos nunca que estas forças ligadas a esta orientação econômica têm abonado e apoiado o trabalho sujo das forças reacionárias. Sua retificação fortalecerá a posição anticolonial da Síria e a aderência das massas a esta política.

Ao se considerar a situação atual da Síria, temos de ter em conta que as ditas “forças de oposição” nunca foram e não são uma alternativa democrática. A força de choque reacionária é a organização da Irmandade Muçulmana, que tem cometido massacres em estreita parceria com o imperialismo e com os reacionários regimes árabes. Entretanto, liberais de todos os tipos são apresentados para encobrir, como uma cortina de fumaça, estas forças obscurantistas que atuam nas sombras.

Preparamos nosso povo para qualquer eventualidade, incluindo a luta contra uma agressão militar. Estamos confiantes de que, se esta agressão se materializa, a Síria será um túmulo para os agressores. O povo sírio tem uma história, que é um acervo nacional, na luta contra o colonialismo.

Não foi à toa que um representante do imperialismo francês, Charles de Gaulle, um dia disse: "É uma ilusão pensar que se pode submeter a Síria".

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Ocupação da Palestina, experiência vivida por Vladimir Safatle

05/02/2012 - 07h40

A Cisjordânia e a "política da invisibilidade"

"Vocês não podem ir à Cisjordânia", disse o funcionário da locadora de automóveis no Aeroporto Ben Gurion, em Tel Aviv.
De fato, o GPS do carro nem sequer indicava cidades palestinas como Ramallah, Hebron ou Nablus, a poucas dezenas de quilômetros dali. Não estava claro se a impossibilidade teria ligação com alguma proibição do governo de Israel ou com uma estranha forma de acordo tácito entre os israelenses que consistiria em agir como se a Palestina não existisse.
Veja fotos da viagem de Vladimir Safatle a países árabes
Por fim, entrar na Cisjordânia não se mostrou mais complicado do que passar uma fronteira em qualquer lugar do mundo --o que demonstrou que a impossibilidade enunciada pelo funcionário da locadora era mais uma limitação psicológica do que a descrição de um estado efetivo de coisas.
É fácil se deixar inebriar pela beleza arquitetônica de cidades como Tel Aviv, com seus prédios em estilo Bauhaus ao redor do bulevar Rothschild, e Jerusalém, com seu trânsito racional e sua escala humana de prédios de baixo gabarito. Essas cidades testemunham a força e a impressionante dedicação de um povo capaz de construir um país em menos de 50 anos. poucos povos no mundo seriam capazes de fazer o que os israelense fizeram.
No entanto, tal admiração pode nos cegar para o que acontece do outro lado do muro que Israel ergueu, a partir de 2002, para isolar os palestinos.
Ela pode nos levar a pensar da mesma forma que o governo de Israel, que construiu na Cisjordânia essas autoestradas cujas placas indicam apenas os nomes dos assentamentos israelenses --forma de mostrar que as cidades palestinas não teriam sequer o direito de ser nomeadas.
Em dezembro do ano passado, o pré-candidato republicano à presidência dos EUA Newt Gingrich afirmou que os palestinos são um povo "inventado". O que, no seu jargão, deve significar: um povo que não existe como tal e que, principalmente, não tem direito a existir.
Ele decerto acredita que há povos "inventados" e povos, digamos, "naturais". Na sua vasta visão de americano médio, Gingrich talvez acredite em povos que tenham sido criados por alguma forma de vontade divina, perfeitamente clara para determinados deputados visionários do Partido Republicano.
A afirmação do candidato tem, ao menos, a vantagem da honestidade. Um povo como o palestino, cuja maioria da população não tem direito nem a carteira de identidade ou passaporte, deve entender bem o que Gingrich quis dizer. Ele sabe que a afirmação do republicano expõe o núcleo de uma prática que paulatinamente tomou conta da "questão palestina".
Ela consiste em operar o que poderíamos chamar de "política de invisibilidade". Pois uma das grandes conquistas da filosofia social dos últimos 30 anos foi pôr em relevo a importância da noção de reconhecimento no interior dos embates políticos.
Tal noção nos obriga a lembrar que, para além das questões econômicas de redistribuição de riquezas, a política é a esfera na qual demandas de reconhecimento devem ser ouvidas e implementadas.
Reconhecer alguém como sujeito político significa primeiro reconhecer que seus sofrimentos e direitos são visíveis. Em nenhum outro lugar essa teoria foi tão esquecida quanto na Palestina.
Durante minha viagem à Tunísia, ao Egito e a outros países da região, ficou claro como o significante que melhor organizava as demandas políticas daqueles que colocaram em marcha a Primavera Árabe era "dignidade". Na Palestina, descobre-se mais facilmente como tal palavra foi enunciada não apenas contra ditadores corruptos como o tunisiano Ben Ali ou o egípcio Hosni Mubarak.
Ela foi enunciada contra o Ocidente. Pois, se os povos árabes são tão sensíveis ao problema palestino (contrariamente à clássica insensibilidade de seus governantes), é porque veem nele o sintoma do discurso do Ocidente sobre o Oriente Médio. Ou seja, o ponto que revela o destino que o Ocidente reserva aos povos árabes, quando estes não têm petróleo, ou posição geopolítica privilegiada. O destino da invisibilidade.
Há uma forma clássica de tentar cortar tal discussão pela raiz. Ela consiste em justificar a situação palestina, de humilhação cotidiana, afirmando que os israelenses também sofreram a ameaça cotidiana da guerra, da insegurança e do terrorismo.
É verdade que tal sofrimento é real e não deve ser esquecido. Não precisamos de discursos que diminuam o sofrimento vivenciado por um povo. No entanto, nada nos impede de, ao mesmo tempo, recusar radicalmente tanto o discurso que nega o direito à existência de Israel em fronteiras seguras (assim como as ações terroristas contra a população civil) quanto a prática que nega aos palestinos um Estado autônomo e respeitoso das fronteiras de 1967, ou que os submete a ações inaceitáveis de "punição coletiva".
Mais ainda. Nada nos leva a afirmar que a insegurança israelense será resolvida pela condução do povo palestino à situação de inexistência.
"Isso é algo que, no fundo, os israelenses sabem", disse-me Liran Razinsky, ativista do Movimento Solidariedade e professor de literatura da Universidade de Tel Aviv.
"Se você perguntar se os israelenses estão seguros de que seu Estado existirá daqui a 50 anos, a maioria responderá de maneira negativa. Mas, quando o afeto central da vida social é o medo, você se dispõe a fazer o que for necessário para se defender, sem nem sequer enxergar o que de fato você está fazendo. Assim, Israel se tornou um Estado democrático para os judeus, semidemocrático para os árabes-israelenses e totalitário para os palestinos".
Um exemplo forte do que Razinsky tem em mente pode ser encontrado na cidade palestina de Hebron. Lá, em 1994, o colono Baruch Goldstein abriu fogo contra palestinos que rezavam na mesquita de Abraão, matando 29 pessoas.
Hoje, a mesquita e a área em volta estão totalmente cercadas por controles do Exército israelense, e o túmulo de Goldstein transformou-se em local de peregrinação de colonos radicais.
Os palestinos que moram na redondeza só podem entrar em casa depois de passar por tais controles. Não são autorizados a ter facas ou qualquer outro objeto cortante em casa, nem podem sair depois das 20h. Caso queiram, por exemplo, trazer um sofá para casa, precisarão de uma autorização do Exército que pode demorar semanas.
Qualquer palestino precisa da autorização do Exército israelense para reformar ou ampliar sua casa, assim como para construir reservatórios de água. Raramente tais permissões são concedidas. Ou seja, a todo momento, os palestinos são lembrados de que vivem em situação perpétua de exceção.
No entanto, é possível encontrar colonos indo ao supermercado ostensivamente com metralhadoras nas costas. Há um assentamento bem no meio da cidade. Ele é protegido por torres de observação do Exército que se espalham por Hebron, dando a impressão de uma cidade sitiada, controlada por alguma forma de pan-óptico que tudo vê. Até mesmo a entrada da cidade é controlada por uma barreira que a qualquer momento pode ser fechada para impedir que os palestinos passem.
Ruas estão divididas por blocos de concreto. Os palestinos circulam de um lado, os israelenses de outro. O lado israelense é duas vezes maior do que o palestino. Várias áreas da cidade foram interditadas aos palestinos para proteger os colonos. Não foi por outra razão que Andrew Feinstein, antigo parlamentar judeu do Congresso sul-africano, afirmou sobre a Cisjordânia: "Isto é como o apartheid".
Feinstein estava certo: dificilmente encontraremos palavra mais adequada para caracterizar essas e outras situações corriqueiras na Cisjordânia, como as autoestradas que separam carros palestinos e israelenses.
Segundo as leis internacionais, os assentamentos são ocupações absolutamente ilegais. No entanto, "o governo de Israel nunca abandonou sua política de assentamentos, nem mesmo em época de negociação de paz", disse-me Jamal Juma, ativista palestino e coordenador da ONG Stop the Wall.
"Não é por outra razão que hoje a Cisjordânia tem algo em torno de 520 mil colonos judeus ante uma população de 2,5 milhões de palestinos. Quando os acordos de Oslo começaram, a partir de 1993, esse número não chegava a um quinto do que é hoje. O maior erro dos acordos de Oslo foi não prever o desmantelamento imediato dos assentamentos."
Autoridades israelenses afirmam que a existência dos assentamentos não é obstáculo para a paz. Afinal, Israel desmantelou assentamentos em Gaza, no governo de Ariel Sharon (2001-06), e no Sinai, no governo de Menachem Begin (1977-83), ao devolver tais terras. Mas é difícil imaginar que algo dessa natureza seja possível na Cisjordânia. Quando ouvimos falar em assentamentos, temos a impressão de um conjunto de casas ou fazendas. No entanto, alguns deles, como Ariel, são verdadeiras cidades.
Há de se perguntar quem conseguirá desmantelar toda uma cidade de 35 mil habitantes cujos moradores andam com metralhadoras a tiracolo e se veem como responsáveis pela missão divina de reconquistar a terra de seus ancestrais bíblicos. Quando o ex-primeiro-ministro de Israel, Yitzhak Rabin, tentou fazer isso, foi assassinado exatamente por um colono.
A vida em Ariel é algo à parte. Seu acesso é proibido a carros que não tenham placas israelenses. A cidade é uma espécie de condomínio fechado, etnicamente homogêneo, cuja base demográfica é composta por judeus vindos da Rússia e do Brooklyn nova-iorquino. Em seus supermercados é possível encontrar caviar russo e biscoitos belgas a preços subsidiados pelo governo, o que garante um alto padrão de vida.
Ao redor, encontramos indústrias pesadas, que poluem o riacho que passa pelos vilarejos palestinos da região. No seu interior está a Universidade de Ariel, que tem um acordo de cooperação acadêmica com o Instituto de Matemática da Universidade de São Paulo.
É de perguntar qual insensibilidade inacreditável acometeu a USP para achar normal firmar um acordo dessa natureza com uma instituição construída em um território ocupado --uma ocupação internacionalmente condenada, inclusive pelo próprio governo brasileiro. Não se trata aqui de fazer coro ao equivocado pedido de boicote às universidades israelenses --equivocado porque boa parte da oposição às políticas do governo vem exatamente dessas universidades.
Já um acordo com uma instituição construída em território ocupado equivale a legitimar e normalizar tal situação, o que vai frontalmente contra as determinações da diplomacia brasileira.
Marda é um dos vilarejos palestinos ao lado de Ariel. Nele, nos encontramos com fazendeiros que tiveram suas terras paulatinamente confiscadas pelo Exército israelense por "razões de segurança".
Um deles é Murad Alkufash, que pergunta, indignado: "Moramos aqui há séculos. Por que eu deveria aceitar que alguém que nem nasceu aqui, que veio do Brooklyn, seja senhor das terras que herdei de meu pai?".
Uma das situações mais extorsivas em relação aos direitos dos palestinos diz respeito à água. O Jordão é o único rio perene da região e está completamente em território palestino. Israel já disse de maneira clara que não devolverá o vale do Jordão, o que inviabiliza qualquer tentativa de fundar um Estado palestino que não seja um mero conjunto de bantustões.
O próprio ex-primeiro-ministro Ariel Sharon, como revelou o jornal israelense "Haaretz", em maio de 2003, dizia acreditar que a "solução" da questão palestina passaria pela criação de microterritórios semelhantes aos bantustões, Estados-fantoche criados pelo governo racista sul-africano a fim de isolar os negros em comunidades sem autonomia real ou poder efetivo, criando uma população sem direitos civis e trabalhistas.
Os palestinos que habitam a região do Jordão são segregados no que diz respeito ao consumo de água. Um colono israelense usa seis vezes mais água que os palestinos. Caso queiram mais, os palestinos precisarão comprar água de uma empresa israelense que explora o rio do qual os próprios palestinos são donos.
Diab Abdel Najoun, fazendeiro da região de Al-Auja, me contou: "Tenho fazenda, mas não posso plantar nada porque Israel cortou minha água. Vivo agora do dinheiro mandado por meus filhos".
Ao chegar em Al-Auja, com voluntários do Conselho Mundial de Igrejas, encontramos Faiçal Najoun prostrado diante de escombros. O Exército israelense acabara de demolir um pequeno edifício comercial que ele construíra em "zona C". Depois dos acordos de Oslo (1993), a Palestina foi dividida em três zonas: A (sob controle palestino), C (sob controle israelense) e B (sob controle misto).
No entanto, os limites são muitas vezes controversos e cambiáveis, o que faz com que boa parte dos palestinos nunca tenha segurança sobre a propriedade de sua casa. Até mesmo escolas estão atualmente sob ordem de demolição.
Diante dos escombros, Faiçal me disse esperar uma terceira Intifada, alusão feita às revoltas da população palestina, armada muitas vezes com paus e pedras, contra militares israelenses: "Israel está em guerra contra nós, agora por meio da água e da terra".
Pode-se ignorar o caráter dramático da situação afirmando que ela foi produzida pelos próprios palestinos. Afinal, eles teriam recusado sistematicamente toda possibilidade de negociação --a prova seria a recusa do então presidente da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), Yasser Arafat (c. 1929-2004) a aceitar um acordo do então primeiro-ministro Ehud Barak (1999-2001) para devolver 92% do território palestino e partilhar Jerusalém.
Eu mesmo já escrevi anteriormente que foi um erro de Arafat não ter aceitado ("O Verdadeiro Alvo", no jornal "Valor Econômico" de 6 de novembro de 2009). No entanto, vale a pena colocar o processo no seu verdadeiro contexto.
O motivo da recusa foi a intransigência de Barak em negociar o direito de retorno dos refugiados palestinos. Quando o Estado de Israel foi criado, em 1948, 711 mil palestinos fugiram de casa com medo de massacres como o ocorrido em Deir Yaassin ou das consequências do conflito árabo-israelense.
Esses palestinos têm assegurado o direito de retorno por uma decisão da ONU conhecida como Resolução 194.
Desde então, eles vivem em campos de refugiados espalhados por Jordânia, Cisjordânia e Líbano. Por muito menos, mas por razões estruturalmente semelhantes, a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) invadiu o Kosovo, na ex-Iugoslávia, em 1999. Ou seja, não há nada de irracional na posição de Arafat em exigir uma solução adequada ao problema dos refugiados, embora tenha sido um equívoco estratégico.
Pode-se tentar ignorar este relato, afirmando que se trata de mais um texto marcado pela posição anti-Israel. Nada mais falso.
Melhor seria lembrar que existem dois tipos de amigos: um que dirá "sim" a tudo o que você fizer e outro que, ao ver você rumo ao abismo, segurará firme em seu braço e dirá: "É hora de mudar de caminho".
Há de se perguntar quem é o verdadeiro amigo.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Nota oficial do PSOL sobre greve de Bombeiros e PMs

A direção do Partido Socialismo e Liberdade – PSOL, coerente com seu programa, apóia as justas reivindicações dos policiais militares que têm lutado por maior valorização profissional. Por isso, cumprindo a sua obrigação política, sua militância e seus parlamentares têm apoiado, estado juntos ao movimento e se empenhado em buscar canais de negociação diante dos impasses ocorridos.
No caso da greve da PM na Bahia inúmeras lideranças partidárias e nossos parlamentares têm exercido esse papel político, seja apresentando a solidariedade aos trabalhadores em greve acampados na Assembléia Legislativa, seja intermediando espaços de negociação.
Somos um partido novo, mas herdeiro da luta pela restituição do estado democrático de direito em nosso país. E consideramos um atentando a estas conquistas os episódios ocorridos nos últimos dias.
Os governos têm sido insensíveis e intransigentes às reivindicações dos trabalhadores da segurança pública, que lutam por melhores condições de trabalho e melhores condições salariais materializadas na aprovação da PEC 300, que cria um piso salarial nacional para os policiais militares. Temos denunciado a hipocrisia e o descaso dos governos estaduais e federal e da maioria das lideranças parlamentares que tem protelado a votação em segundo turno dessa necessária e urgente proposta de emenda constitucional.
A escuta telefônica de lideranças grevistas do Rio de Janeiro e da Bahia e prisões sem motivos justificáveis, inclusive o envio de lideranças às penitenciárias, configuram-se verdadeiros retrocessos democráticos. O vazamento e edição pela imprensa de conversas entre a liderança dos bombeiros do Rio de Janeiro e a Deputada Estadual Janira Rocha do PSOL é uma tentativa de intimidar a ação político-partidária e de cerceamento da ação parlamentar, além de representar uma clara tentativa de criminalização do movimento dos policiais e bombeiros militares.
Usar fatos isolados perpetrados por algum grevista, mesmo que possam ser considerados abusivos, com o objetivo de desmoralizar a legítima e justa luta dos trabalhadores em greve, é uma forma de desviar a atenção da opinião pública para as verdadeiras causas da revolta e mobilização dos policiais e bombeiros militares em nosso país. Essa postura dos governos ao invés de solucionar contribui para acirrar os ânimos e agravar a crise da segurança pública.
A priorização do pagamento da dívida pública, que consumiu 45% do orçamento federal no ano passado e, por outro lado, o gasto de apenas 0,41% do mesmo orçamento para a segurança pública são elementos explicativos da negativa do governo federal e governos estaduais em aprovar a PEC 300.
A postura dos governos federal e estaduais no Rio de Janeiro e Bahia é em tudo semelhante a do governo paulista contra os moradores da área do Pinheirinho. Em nome da segurança geram mais insegurança e desrespeito aos direitos dos trabalhadores.
Repudiamos os ataques às lideranças do movimento dos policiais e bombeiros militares e declaramos nossa total solidariedade as suas reivindicações.
Também não aceitamos qualquer cerceamento do direito de exercício político dos militantes e parlamentares do PSOL. Nessa perspectiva repudiamos veementemente a manipulação de gravações obtidas ilegalmente de parlamentares em pleno exercício de seus mandatos.
O PSOL exigirá que seja dada publicidade à decisão judicial que teria autorizado as escutas telefônicas de lideranças grevistas e parlamentares, e requererá da Polícia Federal e dos governos da Bahia e do Rio de Janeiro o teor integral das gravações já parcialmente tornadas públicas.
Por fim, manifestamos nossa solidariedade à ação corajosa de nossa deputada estadual Janira Rocha (PSOL-RJ) pelo seu firme compromisso com a democracia e com os direitos dos trabalhadores. As reivindicações desses trabalhadores, ou seja, a demanda por melhoria do sistema de segurança pública, é anseio de toda sociedade. A defesa de seu mandato, que nesse momento sofre violentos ataques dos setores conservadores, é tarefa de todos os que acreditam na democracia e no futuro melhor para nosso país.
A atuação da deputada Janira Rocha tem sido exemplar, conta com total apoio partidário e seguirá à frente desta e de outras lutas, como aliás devem agir os verdadeiros e as verdadeiras socialistas.
São Paulo, 10 de fevereiro de 2012.
Executiva Nacional do PSOL

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

PT, o que foi e para onde caminha

Paulo Passarinho, economista progressista, apresentador há vários anos do programa "Faixa Livre", é conhecedor profundo da história do PT, de cuja luta política participou desde a fundação. Continua fiel ao programa original do Partido, e por isso se tornou crítico da guinada ideológica a partir da chegada de Lula ao Planalto. Seu depoimento, por ocasião de mais um aniversário de fundação da legenda, é fundamental.
Segue o artigo:

Luta que Segue:

O Partido dos Trabalhadores
Paulo Passarinho
O Partido dos Trabalhadores completa no dia dez de fevereiro, 32 anos.  Nesse dia, em 1980, no Colégio Sion, em S.Paulo, o Movimento Pró-PT – reunindo os mais diferentes segmentos de trabalhadores, estudantes, intelectuais, comunidades eclesiais de base, lideranças combativas do movimento sindical e militantes de diversas organizações de esquerda, clandestinas, por força da ditadura em vigor – chegava ao seu objetivo de cumprir as exigências impostas pelo regime militar para a criação de um partido político.
No momento mais simbólico daquela histórica tarde, Apolônio de Carvalho, Mário Pedrosa e Sergio Buarque de Holanda entraram de braços dados pelo salão onde se realizava a reunião de fundação formal do PT. Representavam décadas de militância política e intelectual a favor dos trabalhadores, e renovavam as esperanças e expectativas de brasileiros que apostavam na criação de mais um importante instrumento de luta para a emancipação de nosso país e de nosso povo.
Daquela data até os dias de hoje, muita coisa mudou no Brasil e no próprio PT.
Ao longo da década de oitenta, o PT se afirmou como a principal referência partidária junto aos militantes dos movimentos sociais, principalmente dos setores identificados com a Central Única dos Trabalhadores e o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, igualmente criados naquela década. A partir das eleições municipais de 1988, especialmente com a vitória de Luiza Erundina para a prefeitura de S.Paulo, dentre outras (anteriormente, em 1985, Maria Luiza Fontenelle já havia sido eleita para a prefeitura de Fortaleza), o PT começa a trilhar o delicado caminho de procurar compatibilizar os seus objetivos políticos com os limites da institucionalidade vigente.
Com a derrota de Lula para Collor, nas eleições presidenciais de 1989, e a própria ascensão do projeto neoliberal no país, os movimentos sociais entram em compasso de resistência contra a nova hegemonia que se expressa na sociedade, com conseqüências importantes para a própria construção política do PT.
Abreviando essa trajetória petista, e após o período das contra-reformas da era FHC, o PT que chega ao governo federal em 2003 é completamente diferente do que se poderia imaginar para um partido que se pautava – na sua fase de afirmação – pela defesa de uma nova ética na prática política e de transformações estruturais da economia e da sociedade brasileiras.
Históricas bandeiras políticas do PT - como a reforma agrária, a reforma tributária a favor do mundo do trabalho, a reforma urbana, a revisão das criminosas privatizações de FHC, Itamar e Collor, o controle democrático das estatais ou a mudança do modelo econômico, através de uma nova política macroeconômica – foram abandonadas e substituídas sem cerimônia e em nome do que se denominou de governabilidade.
A justificativa para tamanha metamorfose foi a alegação de que a correlação de forças na sociedade não permitiria mudanças substantivas no plano da política e especialmente na condução da política econômica. A política de alianças que leva Lula à presidência também foi alegada com fator de impedimento, para um programa de governo minimamente reformista e de contraposição às contra-reformas de FHC.
A rigor, a correlação de forças que foi substantivamente alterada se deu dentro do próprio PT. A submissão do conjunto do partido, com honrosas exceções, às opções e preferências de Lula – com seu inegável carisma, popularidade e apelo junto aos mais pobres, que se identificam com a origem do ex-metalúrgico – tornou-se uma regra.
Com relação à política de alianças, eu mesmo ouvi do vice-presidente de Lula, José de Alencar, em encontro no Palácio Jaburú com representantes do Conselho Federal de Economia, durante o primeiro mandato de ambos, que jamais foi consultado – ou mesmo informado de forma antecipada – das razões que levaram a cúpula petista a anunciar, em solo norte-americano, com Lula à frente, a nomeação do executivo financeiro do Bank of Boston, Henrique Meireles, para a presidência do Banco Central.
Outra explicação ou justificativa que também foi alegada, particularmente por setores que ainda têm o capricho de se apresentarem como forças de esquerda que apóiam os governos petistas, é que estes seriam “governos em disputa”. Seja por espantosa ingenuidade ou deslavado oportunismo, a verdade é que se houve alguma disputa, em algum momento que seja, em todas elas a esquerda perdeu. Ou, conforme um amigo sempre lembra, a única disputa relevante que podemos apontar no âmbito do governo Lula foi a disputa entre os grupos Bradesco e Itaú, pela liderança do super-lucrativo mercado bancário brasileiro, mais privilegiado ainda no período pós-2002 do que na era FHC.
Todas essas considerações devem ser lembradas pela razão de, na mesma semana em que o PT comemora mais um ano de sua existência, uma nova e inequívoca prova de sua total e radical guinada para a direita ter sido comprovada. Refiro-me ao início do processo da privatização dos principais e rentáveis aeroportos brasileiros. Serviço público essencial e fator de segurança nacional, a entrega dos principais aeroportos do país à administração privada, e a operação dos mesmos a empresas estrangeiras, escancara de uma vez por todas a natureza política dos governos pós-2002.
Mais patética do que a ação privatista em si, injustificável sob todos os pontos de vista, foi o esforço de dirigentes e líderes petistas procurando contestar qualquer semelhança com as privatizações da era FHC. Alegando que concessões não significam privatizações, essas tristes figuras ainda permitiram que ex-dirigentes tucanos se retirassem do ostracismo político em que se encontram para lhes explicar que serviços públicos, de fato, não podem ser privatizados, como se fossem “uma Vale do Rio Doce”. Por conta de dispositivo constitucional, esses serviços devem ser executados diretamente pelo Estado, ou por concessões a serem feitas à iniciativa privada, através de contratos, e por tempo definido.
Parece que em termos de privatização, os neopetistas têm muito ainda a aprender com os carcomidos tucanos. Da minha parte, o que espero é que aqueles que ainda mantenham um mínimo de coerência, entre os que ainda se considerem de esquerda, e que continuam aprisionados ao PT e aos seus governos, rompam definitivamente com esse partido e com o atual governo.
A esses setores, é importante lembrar que após mais de nove anos de governos comandados pelo PT, as tarefas para a construção de um verdadeiro programa democrático e popular - conforme o ideário do finado e verdadeiro PT - são mais complexas hoje do que em 2002.
O processo de privatização e de abertura de nossa economia aos capitais transnacionais é muito mais intenso e deitou raízes no país de forma muito mais profunda. Temos, portanto, muito mais trabalho pela frente e nossos adversários estão hoje muito mais fortalecidos. A economia brasileira encontra-se muito mais desnacionalizada, o Estado muito mais endividado e os movimentos sociais muito mais debilitados, pela cooptação de suas lideranças.
Chega de ilusões. É chegada a hora de se desfazer de fantasias e mistificações.



Dívida pública; onde se juntam os tucanos e o luiopragmatismo

Maria Lucia Fatorelli é uma das maaiores conhecedoras dos processos de formação de dívidas públicas. Não só do governo federal e dos estaduais brasileiros. Foi ela quem coordenou, por convocação do presidente Rafael Correa, a comissão que fez a auditoria da dívida do Equador, e que permitiu ao governo daquele País rediscutir os termos do que lhe era imposto por credores de forma ilegal. No Brasil, ela se bate para o cumprimento do mandato constitucional - vigente desde 1989, portanto - para a auditoria da dívida pública brasileira, hoje já superando os R$ 2 trilhões.
Auditar a dívida não é capricho. Por razões ideológicas não se previa serr ealizada durante o mandarinato FHC. O injustificável é que essa omissão tenha se mantido a partir da chegada do PT ao governo. Trata-se de iniciativa fundamental quando se constata a forma fraudulenta como o sistema financeiro privado global, e as instituições financeiras oficiais (FMI, Banco Mundial) por ele controlado, tentam impor aos governos acovardados. 
Não existe exemplo, entre as poucas realizadas por países ditos devedores, onde tais ilegalidades não sejam facilmente identificadas, daí resultando cortes significativos. O caso da Russia, em fins da década de 90 é exemplar - reduziu em cerca de 30% e ainda permitiu ao governo Putin impor uma moratória de sete anos para reiniciar pagamento do restante acatado.
Neste artigo que se segue, Maria Lucia detalha de que forma são mantidos pelo lulopragmatismo os preceitos subalternos ao grande capital financeiro, a partir do que se estabeleceu, corretamente, como privataria tucana, ora estendida à 

 Privataria Petista

Por Maria Lúcia Fattorelli (Coordenadora da Auditoria Cidadã da Dívida) - 09/02/2012
Em meio a insistentes ataques da grande mídia à “corrupção” de autoridades dos três poderes institucionais, uma verdadeira corrupção institucional está ocorrendo no campo financeiro e patrimonial do país, destacando-se:
- PRIVATIZAÇÃO DA SAÚDE, EDUCAÇÃO, SEGURANÇA, e muitos outros serviços essenciais, que recebem cada vez menor quantidade de recursos haja vista a luta de 20 anos pela implantação do piso salarial dos trabalhadores da Educação, a recente greve dos policiais na Bahia, ausência de reajuste salarial para os servidores em geral, entre várias outras necessidades não atendidas, evidenciada recentemente na tragédia dos moradores do Pinheirinho em São Paulo, enquanto o volume destinado ao pagamento de Juros e Amortizações da Dívida Pública continua crescendo cada vez mais.
Qual a justificativa para a entrega de áreas estratégicas ao setor privado? Por que criar um mega fundo de pensão para os servidores públicos do país quando os fundos de pensão estão quebrando no mundo todo, levando milhões de pessoas ao desespero? Por que leiloar jazidas de petróleo se a Petrobrás possui tecnologia de ponta? Por que abrir mão da segurança nacional ao entregar os aeroportos mais movimentados para empresas privadas e até estrangeiras? Por que privatizar os hospitais universitários se esses são a garantia de formação acadêmica de qualidade? Por que privatizar florestas em um mundo que clama por respeito ambiental? Por que deixar que serviços básicos, sejam automaticamente privatizados, a partir do momento em que se corta recursos destas áreas?
O que há de comum em todas essas privatizações e em todas essas questões?
O ponto central está no fato de que o beneficiário de todas essas medidas é um ente estranho aos interesses do povo brasileiro e da Nação. Os únicos beneficiários têm sido o setor financeiro privado e as grandes transnacionais.
Então, por que o governo tem se empenhado tanto em aprovar todas essas medidas contrárias aos interesses nacionais?
E o que diz a grande mídia a respeito dessas medidas indesejáveis? Não divulga a posição dos afetados e prejudicados por todas essas medidas, mas promove uma completa “desinformação” ao apresentar argumentos falaciosos e convincentes propagandas de que o Brasil vai muito bem e que a economia está sob controle.
Ora, se estamos tão bem assim, qual a razão para rifar o patrimônio público? Por que esse violento round de privatizações partindo justamente de quem venceu as eleições acusando a privataria?
Na realidade, o país está sucateado. Vejam as estradas rodoviárias assassinas e a ausência de ferrovias; a desindustrialização; o esgotamento de nossas riquezas; as pessoas sem atendimento hospitalar, com cirurgias adiadas até a morte; os profissionais de ensino desrespeitados e obrigados a assumir vários postos de trabalho para sustentar suas famílias; o crescimento da violência e do uso de drogas.
É inegável o fato de que o PIB brasileiro cresceu e já somos a 6a. potencia mundial, mas o último relatório da ONU mostra que ocupamos a vergonhosa 84a. posição em relação ao atendimento aos direitos humanos, de acordo com o IDH, o que é inadmissível considerando as nossas imensas riquezas.
Algo está muito errado. Não há congruência entre nossas riquezas e nossa realidade social. Não há coerência entre o discurso ostentoso e a liquidação do patrimônio nacional.
Dizem que temos reservas internacionais bilionárias, mas não divulgam o custo dessas reservas para o país, o dano às contas públicas e ao crescimento acelerado da dívida pública brasileira que paga os juros mais elevados do mundo.
Dizem que temos batido recordes com exportações, mas não divulgam que lá de fora, valorizam os preços da chamadas “commodities” e o que fazemos: aceleramos a exploração dos nossos recursos naturais e os exportamos às toneladas. Mas quem ganha já não é o país, pois as minas, as siderúrgicas e o agrobusiness já foram privatizados há muito tempo.
Outra grande falácia é de que o Brasil está tão bem que a crise financeira que abalou as economias dos países mais ricos do Norte – Estados Unidos e Europa – pouco afetou o país. A grande mídia não divulga, mas a raiz da atual crise “da Dívida” que abala as economias do Norte está na CRISE DO SETOR FINANCEIRO.
A crise estourou em 2008 quando as principais instituições financeiras do planeta entraram em risco de quebra. Tal crise dos bancos decorreu do excesso de emissão de diversos produtos financeiros sem lastro – principalmente os derivativos – possibilitada pela desregulamentação e autonomia do setor financeiro bancário. Embora tivessem agido com tremenda irresponsabilidade na emissão e especulação de incalculáveis volumes de papéis sem lastro, tais bancos foram “salvos” pelos países do Norte à custa do aumento da dívida pública, que agora está sendo paga por severos planos de ajuste fiscal contra os trabalhadores e crescente sacrifício de direitos sociais.
Apesar da monumental ajuda das Nações aos bancos, o sistema financeiro internacional ainda se encontra abarrotado de derivativos e outros papéis sem lastro – tratados pela grande mídia como “ativos tóxicos”. Grande parte desses papéis foi transferida para “bad Banks” em várias partes do mundo, à espera de serem trocados por “ativos reais”, principalmente em processos de privatizações.
Assim funcionam as privatizações: são uma forma de reciclar o acúmulo de papéis e transferir as riquezas públicas para o setor financeiro privado.
Relativamente à privatização da Previdência dos Servidores Públicos, o Projeto de Lei PL-1992 cria o FUNPRESP que, se aprovado, deverá ser um dos maiores fundos de pensão do mundo.
Na prática, esse projeto se insere em tendência mundial ditada pelo Banco Mundial, de reduzir a participação estatal a um benefício mínimo, como alerta Osvaldo Coggiola, em seu artigo “A Falência Mundial dos Fundos de Pensão”:
“Com este esquema, o que se quer é reduzir a aposentadoria estatal de modo a diminuir o gasto em aposentadorias e aumentar os pagamentos da dívida do Estado.”
A dívida brasileira já supera os R$ 3 trilhões. A grande mídia não divulga esse número, mas o mesmo está respaldado em dados oficiais.
Os fundos de pensão absorvem grandes quantidades de papéis, pois funcionam trocando o dinheiro dos trabalhadores por papéis que circulam no mercado financeiro. Os tais “ativos tóxicos” estão provocando sérios danos aos fundos de pensão, como adverte Osvaldo Coggiola:
“… duas Agentinas e meia faliram nos Estados Unidos como produto da crise do capital, levando consigo os fundos de pensões lastreados em suas ações. Na Europa, a situação não é melhor. A OCDE advertiu sobre o grave risco da queda nas Bolsas sobre os fundos privados de pensão, cuja viabilidade está ligada à evolução dos mercados de renda variável: “Existe o risco de que as pessoas que investiram nesses fundos recebam pouco ou nada depois de se aposentar”.
O art. 11 do PL-1992 não permite ilusões quanto ao risco para os servidores federais brasileiros, pois assinala que a responsabilidade do Estado será restrita ao pagamento e à transferência de contribuições ao FUNPRESP. Em outras palavras, se algo funcionar errado com o FUNPRESP; se este adquirir papéis podres ou enfrentar qualquer revés, não haverá responsabilidade para a União, suas autarquias ou fundações.
Qual o sentido dessa medida anti-social?
O gráfico a seguir revela porque a Previdência Social tem sido alvo de ferrenhos ataques por parte do setor financeiro nacional e internacional: o objetivo evidente, como também alertou Osvaldo Coggiola, é apropriar-se dos recursos que ainda são destinados à Seguridade Social para destiná-los aos encargos da dívida pública.
As diversas auditorias cidadãs em andamento no Brasil e no exterior, bem como a auditoria oficial equatoriana (2007/2008) e a CPI da Dívida no Brasil (2009-2010) têm demonstrado que o único beneficiário do processo de endividamento público tem sido o setor financeiro.
No Brasil, o gráfico a seguir denuncia o privilégio da dívida, pois a dívida absorve quase a metade dos recursos do orçamento federal, o que explica o fabuloso lucro auferido pelos bancos aqui instalados, enquanto faltam recursos para as necessidades sociais básicas, tornando nosso país um dos mais injustos do mundo.
Para ver a imagem, utilize a URL abaixo:
Elaboração: Auditoria Cidadã da Dívida. Nota: O valor de R$ 708 bilhões inclui o chamado “refinanciamento” ou “rolagem”, pois a CPI da Dívida Pública comprovou que parte relevante dos juros são contabilizados como tal. Para mais informações ver http://www.divida-auditoriacidada.org.br/config/artigo.2012-01-15.2486469250/document_view
É urgente unir as lutas contra a privatização do que ainda resta de patrimônio público no Brasil, pois é para pagar a dívida pública e preservar este modelo de “Estado Mínimo” para o Social – e “Estado Máximo” para o Capital – que as riquezas nacionais continuam sendo privatizadas.